terça-feira, 25 de dezembro de 2007

sem mais

Não é por nada dama, mas não escreverei um poema para ti. Não há por quê, nunca houve. Eu sou o poema e a sua matéria. Eu, só eu. Egoísmo não, egocentrismo talvez, certamente impossibilidade de outro modo ser. Se eu fizesse irias gostar, e isso me seria tragédia.

Passou por mim o condenado. Não vi seus guardas, mas ele bem via, sim. Os olhos dele que me diziam. Sua cabeça era pressionada por dois fuzis, um do lado do outro. Senti terrores do meio-dia, quis salvá-lo. Mas eu não via os seus guardas.

Alan Araguaia

3 comentários:

Anônimo disse...

contra o versus que diriges há um lugar algum @d+

CresceNet disse...

Hello. This post is likeable, and your blog is very interesting, congratulations :-). I will add in my blogroll =). If possible gives a last there on my site, it is about the CresceNet, I hope you enjoy. The address is http://www.provedorcrescenet.com . A hug.

Anônimo disse...

tá poético esse mininu!
uahuahuahua

abraço, alan

PS: voltei pra internet!

fabrício Mattos